MEC e CAPES aprovam Mestrado a Distância na Odontologia


Autor: ROBERTO V. RESENDE



Resumo

O autor apresenta a notícia da aprovação de cursos stricto sensu a distância, cita a legislação pertinente e explica o que vem a ser essa modalidade de ensino, informando termos e metodologias, e apontando algumas de suas vantagens. Dá uma visão geral do novo papel dos professores e da autonomia e responsabilidade que se espera dos alunos. Encerra explicando alguns princípios segundo os quais os cursos são elaborados.


Palavras chave

Educação a Distância, Aprendizado a Distância


INTRODUÇÃO

Após mais de um ano de reuniões preparatórias, MEC e CAPES aprovaram neste ano Mestrado e Doutorado na área de Odontologia na modalidade à Distância.

Até o momento, só havia um único curso de Mestrado aprovado pela Capes/MEC, funcionando desde 1995 nessa modalidade (BARONI, 2008) .

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996) privilegia a Educação a Distância em seu Art. 80 que, por sua vez, está regulamentado pelo Decreto 5.622/2005 que assim define a Educação a Distância: "é a modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos".

Nunca houve na história um momento onde essa modalidade de ensino pudesse alcançar objetivos tão grandiosos quanto aos que podem ser vislumbrados nos dias atuais. (LOPES, 2000)


DESENVOLVIMENTO

Podemos considerar as cartas de Platão e, mais tarde, as Cartas dos Apóstolos como os primórdios da educação a distância (EaD).

Quem não se lembra dos anúncios do Instituto Universal Brasileiro oferecendo cursos de rádio-técnico por correspondência. Eles utilizavam o material impresso como método de entrega e, até hoje formam profissionais em diversas áreas - com alta qualidade - desde 1941, pela modalidade a distância. Vejam a lista de cursos ofertados em www.institutouniversal.com.br .

Apesar disso, muitos ainda se espantam ao ver cursos ofertados a distância na área da Odontologia e chegam mesmo a acreditar que EaD funcione sem professores, ou que não possam ser criados em nossa profissão.

A única diferença é a separação física entre professor e aluno, ou melhor, entre professor-autor e aluno. Mas isso já acontece na modalidade presencial: poucos alunos tiveram o privilégio de ter aulas com o autor do livro. A maioria contou com um professor-assistente (que na modalidade a distância é chamado de tutor) que interpretava o conteúdo do livro e o transmitia aos alunos.

Com as novas formas de Tecnologia de Informação e Comunicação (TICs ou NTICs), os alunos têm acesso ao conhecimento disseminado pela rede mundial de computadores e pelas Comunidades Aprendentes, sendo o tutor um orientador, uma fonte de referência.

O professor controlador, uma figura pós revolução industrial, que repassava o conhecimento já elabora do por ele, está totalmente ultrapassado. O professor hoje, pós revolução tecnológica, é o que propõe problemas, redireciona a rota, indica bibliografia, propicia o compartilhamento de informações para que os alunos construam seu conhecimento. Hoje, o mais importante é a construção coletiva do conhecimento, a troca de saberes, de forma que todos terminem uma disciplina no mesmo nível, com o mesmo grau de conhecimento e habilidades.



Fig. 1 - Os consultórios odontológicos de há 50 ou 100 anos tinham o assento da cadeira como centro e os armários encostados nas paredes. Os consultórios ergonômicos têm a boca como centro, a partir do qual instrumentos e equipamentos são distribuídos segundo círculos concêntricos de 50 cm.
O primeiro modelo é centrado no dentista (no profissional).
O segundo é centrado no cliente (mais precisamente: na boca).




Fig. 2 - Modelos Educacionais: Centrado no professor e Centrado no
compartilhamento de saberes. Adaptado de Grings (2001).



Normalmente, essa troca de saberes dá-se num Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), uma universidade virtual baseada numa plataforma de ensino disponibilizada em um provedor de Internet. Professores e estudantes que têm no ambiente virtual uma espécie de arquivo de documentos, além de aproximar os alunos, que podem discutir idéias e opiniões sem que estejam no mesmo espaço físico e ao mesmo tempo. (BURGARDT, 2007)

É certo que o ensino a distância presta-se mais o domínio cognitivo, onde temos que reter um conhecimento e posteriormente recordarmos para poder utilizar o que foi aprendido para uma aplicação prática, na resolução de um problema, por exemplo.

Porém, a EaD presta-se muito bem para a transmissão de disciplinas no domínio predominantemente psico-motor, como as áreas clínicas da Odontologia.
Ninguém vai aprender cirurgia numa modalidade exclusiva a distância, porém um curso dito híbrido, ou semi-presencial, funciona muito bem.
O aluno pode aprender toda a técnica cirúrgica, saber toda a avaliação pré-operatória do paciente, exercitar no cobertor - em casa - todos os tipos de sutura, estudar os tipos de procedimentos trans-operatórios, os cuidados pós-operatórios, por meio das novas tecnologias de informação e comunicação (NTICs) participar de cirurgias virtuais, e aí sim, vir à Faculdade para participar de uma intervenção ao vivo (que já não será sua primeira cirurgia).

Seu irmão pode ter quebrado a perna, não podendo ir à Faculdade. Alguém pode filmar (ou gravar) as aulas pra ele. Ele vê todo o curso a distância (sem ter que ir lá), estuda o mesmo que os outros; faz todos os exercícios; os trabalhos em grupo ele faz pela Internet, usa o telefone e participa igual aos outros. No final, ele tem que ir lá (nem que seja de muletas, de táxi) e fazer a prova final. Não é mais fácil, não é moleza, não é em menos tempo. Ele só estudou a distância, mas aprendeu tanto quanto os outros. O conteúdo foi passado pra ele por meio de uma mídia, foi midiatizado.
Vejam uma cirurgia de prótese de quadril (infelizmente, disponível somente em inglês) em: www.edheads.org/activities/hip/ (clique na moça).
Note-se que não é uma simples entrega de conteúdo. Se bem desenhado, no curso, durante o seu desenrolar, várias estratégias pedagógicas vão sendo colocadas em prática, a fim de forçar o aluno a fazer conexões da parte teórica (mais cognitiva) com a parte prática (mais psico-motora).


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com as tecnologias disponíveis hoje, podem-se utilizar várias mídias para fazer a entrega do material didático ou do conteúdo. Podendo ficar os encontros presenciais restritos ao uso de laboratórios, parte clínica e avaliações finais.

A Educação a Distância tem criado modelos que estão sendo usados para complementar e até mesmo substituir, em alguns casos, o ensino presencial. (LOPES, 2000). Embora haja um grande investimento inicial em planejamento e tecnologia, os custos são decrescentes por aluno. (NUNES, 1994). Já imaginaram a economia para as instituições de ensino, e também para cursandos - especialmente aqueles que residem em cidades distantes?

É só essa a diferença: a distância física entre professor e alunos (também chamada de distância transacional), mas, no mais, não há diferença do ensino presencial.

Determinado professor pode ser uma sumidade em Anatomia, por exemplo, mas achar totalmente impossível ensinar sua matéria na modalidade a distância. É aí que entra o trabalho do especialista, do "desenhista instrucional". Ele vai "traduzir" o curso do professor para o Ensino a Distância. Ele vai determinar o número de aulas, carga horária, as mídias utilizadas, o número de vezes que os alunos terão que vir ao laboratório de anatomia, as provas e trabalhos a distância e, ao menos, uma prova presencial no fim do curso.

Ele vai ter que se reunir várias vezes com o professor; capítulos vão ter que ser adaptados e, algumas vezes, totalmente reescritos pelo professor; até que o autor aprove todo o curso redesenhado pelo especialista em EaD. Aí, o curso estará pronto para testes, para depois ser ofertado aos alunos.
"O controle será o mesmo ou até mais rígido do que é feito no ensino presencial. Tudo isso para garantir que o 'diamante da educação' não se estilhace".

Carlos Eduardo Bielscchowsky,
Secretário de Educação a Distância do MEC


REFERÊNCIAS


BARONI, L.L. Pós stricto sensu a distância recebe aval do MEC- EAD em debate -
Universia 2008. Documento eletrônico disponível em:
http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?id=16169 , acessado em
12/10/2008

BRASIL. Lei 9394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional). Documento
eletrônico disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm ,
acessado em 12/10/2008

BURGARDT, L. Professor "blogueiro" : Razões para criar um blog e usá-lo como
aliado em sala de aula. 2007. Documento eletrônico disponível em:
http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?materia=14193 , acessado em
15/06/2008

GRINGS, E.S. Projetos de Aprendizagem Baseados em Problemas: Uma metodologia
interacionista/construtivista para formação de comunidades de Aprendizagem,
2001 . Documento eletrônico disponível em:
http://www.humanas.unisinos.br/ambiente/oficinas/upload/ppt/paoso.ppt , acessa-
do em 01/11/2007.

LOPES, G.S. Ambientes Virtuais de Ensino - Aspectos Estruturais e Tecnológicos.
Florianópolis. 2000. 143 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção)
UFSC.

NUNES, I.B. Noções de Educação a Distância. Revista Educação a Distância nrs.
4/5, Dez./93-Abr/94 Brasília, Instituto Nacional de Educação a Distância, p. 7-
25. Documento eletrônico disponível em:
http://www.rau-tu.unicamp.br/nou-rau/ead/document/?view=3 , acessado em
01/06/2006


Summary (in english)

MEC and CAPES APPROVE DENTAL DEGREES IN DISTANCE EDUCATION
The author presents the news of the approval of stricto sensu courses in distance modality, quoting the relevant legislation and explains what has to be this type of teaching, informing terms and methodologies, and pointing out some of their advantages. He gives an overview of the new role of teachers and the autonomy and commitment that are expected from students. At the end, he explains certain principles on which the courses are prepared.
Key words: Education, Distance, Distance Education, Dentistry


ROBERTO V. RESENDE é Cirurgião Buco-Maxilo-Facial e Especialista em Educação a Distância.
Perfil: www.dentistas.com.br/resende
Email: resende@dentista.com.br

.


 
Dentistas.com.br

Google